Panamá fortalece programas de Cooperação Sul-Sul na Ibero-América

Realizou-se no Panamá a oficina interinstitucional: “Panamá e a Cooperação na Ibero-América: Desafios da Cooperação Sul – Sul e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)” com o apoio de SEGIB.

panamá-cooperacion

O Ministério de Relações Exteriores do Panamá, com o apoio da Secretaria Geral Ibero-americana (SEGIB), realizou a oficina interinstitucional: “Panamá e a Cooperação na Ibero-América: Desafios da Cooperação Sul – Sul e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”, que tem como objetivo familiarizar as instituições envolvidas com os programas e fortalecer a coordenação interinstitucional no marco do “Panamá Coopera”.

“Temos certeza de que este espaço constituirá uma grande oportunidade para ampliar e reforçar os conhecimentos em matéria de cooperação, expressou a Diretora Geral de Cooperação Internacional da Chancelaria, Selina Baños, ao mesmo tempo em que dava as boas-vindas aos participantes e agradecia aos representantes da SEGIB pelos esforços que fizeram possível a oficina que “contribuirá a fortalecer a cooperação do Panamá no espaço ibero-americano”.

A oficina contou com a participação da Diretora do Escritório sub-regional da SEGIB para o México, Caribe e América Central, Leonor Calderón; e o Coordenador da Área de Coesão SocialCooperação Sul-Sul da SEGIB, Martin Rivero; os participantes aprenderam sobre os objetivos, atividades e conquistas da SEGIB na região e como é possível dar visibilidade à participação do Panamá nos programas de cooperação da região em seu crescente rol de país oferente.

Durante a oficina foi apresentado o Relatório de Cooperação Sul-Sul na Ibero-América correspondente a 2016. Segundo este relatório, foram executadas 1.395 iniciativas de cooperação Sul-Sul nas modalidades: bilateral, triangular e regional. A maioria dos projetos estiveram focados no Setor Social (especialmente a saúde e a educação), o setor produtivo (principalmente o setor agro), o fortalecimento institucional, infraestrutura e serviços, e meio ambiente.

Panamá, no marco do “Panamá Coopera”, alavancado por sua posição geopolítica, sua conetividade e plataforma de serviços, está chamado a jogar um rol protagonista em matéria de cooperação Sul-Sul e Triangular na região. Um exemplo disto é o Centro Logístico Regional de Assistência Humanitária que, ao entrar em funcionamento, em 2018, constituir-se-á no principal centro do continente para o envio de assistência humanitária a qualquer país afetado por desastres naturais ou causados pelo homem.

Durante sua clausura, o Diretor Geral de Cooperação e Organismos Internacionais, Max López Cornejo, em sua qualidade de Coordenador Nacional perante a Conferência Ibero-americana, ressaltou a importância da iniciativa para fortalecer a cooperação nestes âmbitos e a coordenação interinstitucional.

Na oficina participaram representantes das unidades de cooperação técnica internacional dos ministérios de Presidência, Desenvolvimento Social, Desenvolvimento Agropecuário, Saúde, Educação, Ambiente, Economia e Finanças, Trabalho e Desenvolvimento Laboral, Público e Comércio e Indústria; o Sistema de Poupança e Capitalização de Pensões dos Servidores Públicos, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Sustentável, o Tribunal Eleitoral, o Órgão Judicial, o Instituto Nacional de Cultura, a Secretaria Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, o Serviço Estatal de Rádio e Televisão, a Autoridade Nacional de Transparência e Acesso à Informação, as Prefeituras do Panamá e San Miguelito, o Serviço Nacional Aeronaval, o Serviço Nacional de Fronteiras e o Serviço Nacional de Migração.

Veja todos os assuntos