Formação e capacitação de museus ibero-americanos em Cuba

Ibermuseus e a Rede de Arquivos Diplomáticos Ibero-Americanos organizaram uma série de cursos de conservação e restauração do patrimônio museístico e arquivístico, dirigido aos museus e arquivos dos países centro-americanos.

cursofeat

De 3 a 9 de setembro, profissionais de museus de oito países centro-americanos participaram do curso de Conservação Preventiva e Gestão de Riscos para o Patrimônio Museal Ibero-Americano: Conceitos e instrumentação de procedimentos gerais, e outros cinco especialistas, mais a Unidade Técnica do Programa, da terceira Mesa Técnica de Formação e Capacitação.

O curso, promovido pelo Programa lbermuseus, em parceria com o Conselho Nacional de Patrimônio Cultural de Cuba, teve lugar no Palacio del Segundo Cabo, no Museo Nacional de Bellas Artes, no Ministerio de Relaciones Exteriores e no Museo de Artes Decorativas, e abordou temas relacionados ao sistema de conservação preventiva, procedimentos da conservação preventiva e a gestão de riscos. Uma das sessões do curso foi realizada em parceria com o programa Red de Archivos Diplomáticos Iberoamericanos (Radi).

Os profissionais participantes, provenientes de: Costa Rica, Cuba, Nicarágua, El Salvador, Guatemala, Honduras, Panamá e Equador revelaram-se satisfeitos com a variedade e a qualidade do conteúdo transmitido, que atendeu às necessidades de suas respectivas instituições. Para eles, essa foi uma oportunidade para o intercâmbio de informações, já que conseguiram perceber problemas comuns e, juntos, buscaram soluções mais abrangentes. A intensa convivência gerou uma grande rede de contatos, possibilitando uma maior capilarização dos conhecimentos adquiridos.

“A experiência foi completamente enriquecedora para o trabalho que desempenhamos na Costa Rica, especificamente no Departamento de História Natural, onde temos um importante desafio na preservação das coleções de patrimônio natural que cresceram enormemente nos últimos dois anos: passamos de cerca de 500 mil exemplares a três milhões, e o trabalho de conservação preventiva é importante para este tipo de patrimônio, que é tão frágil”, explica Ana Cecilia Pineda, do Museo Nacional de Costa Rica.

Segundo a participante Marianella López Bello, da Oficina del Historiador de la Ciudad (Cuba), “este curso foi de grande importância para todos os participantes, com exemplos muito concretos das principais questões que existem sobre riscos à conservação e das ações que devem ser realizadas para eliminar ou minimizá-los. Por tanto, este conteúdo deve ser transmitido em nossos países, não apenas em nossas instituições, mas a todas que pudermos. Todos os países necessitam deste intercâmbio, porque muitas das experiências que foram expostas e os problemas que foram compartilhados aqui são comuns a todos os países. Desta forma, creio que o Ibermuseus deve continuar fazendo este grandioso trabalho, que é tão importante”.

20160907_145152-700x467

O curso foi ministrado em 36 horas de teoria e prática por instrutores especialistas provenientes do Chile, Cuba, Espanha e México. Ao final da jornada, os alunos assumiram o compromisso de replicar as informações obtidas em seus países de origem, disseminando o conhecimento sob diferentes formas, adequadas ao seu estilo de trabalho e às necessidades de cada equipe de museus.

Para a professora Lourdes Gallardo, do Museo del Templo Mayor, no México, “este programa é essencial para se aprender, compartilhar e melhorar as práticas de conservação preventiva, junto a especialistas ibero-americanos. O curso vai ajudar a melhorar as práticas realizadas em relação a conservação das coleções e também cria redes de apoio que ajudam a melhorar a comunicação e o compartilhamento de experiências”.

“Acredito que o curso foi muito bem sucedido em termos de poder conciliar a conservação preventiva com a gestão de riscos. Trabalhar na América Central é uma experiência diferente para mim, mas acho, no entanto, que a metodologia de gestão de riscos é transversal a qualquer tipo de patrimônio”, afirma a docente Carolina Ossa, do Centro Nacional de Conservação e Restauração do Chile.

A linha de ação de Formação e Capacitação é coordenada pelo México, e o objetivo principal é a promover atividades permanentes para a região ibero-americana, de fomento ao desenvolvimento de políticas públicas de formação e capacitação em museus, além de promover a qualificação de trabalhadores de museus, fortalecer a articulação interinstitucional e o intercâmbio de experiências neste campo.

Reunião da Mesa Técnica

Realizada de 7 a 9 de setembro, paralelamente ao curso de Conservação Preventiva e Gestão de Riscos, a terceira Mesa Técnica de Formação e Capacitação reuniu representantes de Brasil, Cuba, Espanha, México, Portugal e Uruguai, além da Unidade Técnica do Programa Ibermuseus e da Secretaria Geral Ibero-Americana (Segib), para discutir as iniciativas da linha de ação, revisar as atividades realizadas em 2015 e 2016 e definir as próximas atividades formativas para a região.

Dentre os resultados da reunião, pode-se destacar que os membros acordaram que a linha de Formação e Capacitação do Programa Ibermuseus deva realizar dois cursos de capacitação por ano, sendo um regional e um transversal, e que será permitida a participação de profissionais independentes da região em tais atividades de formação, levando-se em consideração as o perfil e as exigências de cada ação.

Também ficou decidida a formação de dois grupos de trabalho, sendo o primeiro: Aliança e Redes, com representantes de Cuba, Espanha e Uruguai, que irão apresentar uma proposta contendo organismos e instituições que possam apoiar atividades futuras. O segundo: Planejamento Acadêmico, formado por representantes de Brasil, México e Portugal, irá planejar as ações de formação propostas para 2017.

Veja todos os assuntos