Apresentação I Prêmio de Romance Gráfico-Cidades Ibero-americanas “É hora de narrar a cidade”

O prêmio ascende a 6.000 euros e garante a publicação e distribuição por toda Ibero-América da obra galardoada. A entrega da distinção terá lugar na Feira Internacional do Livro de Guadalajara, México.

novelagrafica1

A Feira do Livro de Madri foi o marco da apresentação de galardão “Narre a Cidade. I prêmio de Romance Gráfico-Cidades Ibero-americanas”. Este reconhecimento, apoiado pela Secretaria Geral Ibero-americana, a OEI e a OIJ, aspira impulsionar as expressões culturais que giram em torno às dinâmicas da cidade e a criar espaços de consenso e diálogo através da cultura.

No  ato de apresentação participaram a Secretária geral de UCCI, Rita Maestre; o diretor geral da UCCI, Antonio Zurita; a diretora geral de Bibliotecas, Arquivos e Museus da Prefeitura de Madri, Belén Llera; o editor de Sexto Piso, Santiago Tobón; o secretário geral da OEI, Paulo Speller e o secretário geral da OIJ, Max Trejo.

Maestre arrancou destacando o papel das expressões culturais para narrar a cidade e para gerar consensos. A continuação, o diretor geral da UCCI, Antonio Zurita, enfatizou o papel da diversidade cultural como um motor de desenvolvimento sustentável. Depois disso, Belén Llera, destacou que, ao apostar por este prêmio, apoia-se a leitura, a educação. Faz-se desde um setor “efervescente”, como o do romance gráfico, e com o objetivo de captar uma realidade, também em ebulição, como a da cidade, de acordo com Santiago Tobón.

Este galardão aspira a fazer da cultura um ponto de encontro entre as línguas da Ibero-América, entre aqueles que lhes dão vida e entre suas realidades, como enfatizou Paulo Speller, secretário geral da OEI. É um exemplo, como assegurou Max Trejo, secretário geral da OIJ, de como impulsionar a colaboração entre organismos ibero-americanos para “multiplicar seus esforços”.

O ato de apresentação concluiu com o chamamento a “participar e a desfrutar com o resultado”, de parte da secretária geral de UCCI, Rita Maestre. “É o momento de narrar a cidade”, convidou a Delegada da Área de Governo de Porta-voz, Coordenação da Junta de Governo e Relações  com o Pleno.

Sobre o prêmio

O prêmio deste galardão consiste em 6.000 euros. Também serão concedidos dois accésits de 1.000 euros e garante-se que um dos prêmios irá destinado a um autor ou autora menor de 35 anos. A entrega do reconhecimento terá lugar na FIL de Guadalajara, para onde viajarão aqueles que forem os ganhadores do prêmio principal e do accésits com todas as despesas cobertas pela organização.

A obra galardoada também será publicada pela editorial Sexto Piso e distribuída por todos os países da comunidade ibero-americana com uma primeira tirada de entre 4.000 e 6.000 exemplares.

O prêmio quer compilar e compartilhar, desde esta manifestação artística concreta do romance gráfico, como seus criadoras e criadores traduzem, em gestos quotidianos ou imaginativos, os desafios da Nova Agenda Urbana e da Agenda 2030.

#Laciudadquequiero

Mediante o hashtag #laciudadquequiero, os organizadores do prêmio aspiram a potenciar micro-relatos e outras expressões culturais em redes sociais que mostrem anseios, medos e desafios urbanos, que potenciem o diálogo para que cada qual possa contar qual é a cidade que deseja.

Veja todos os assuntos