Ibero-América avança em três projetos de cooperação para impulsionar a ciência na região

Durante a reunião Ministerial de Ciência, Tecnologia e Inovação, apresentaram-se os avanços nesta matéria desde a Cúpula de Veracruz em 2014.

familia-mctei-interna

No marco da II Reunião Ibero-americana de Ministros e Altas autoridades de Ciência, Tecnologia e Inovação que se realiza em Cartagena de Índias, apresentaram-se os avanços dos projetos de cooperação que surgiram na Cúpula de Veracruz em 2014.

Trata-se de três projetos para impulsionar a ciência na região: o Portal Ibero-americano de Mobilidade de Pesquisadores, o Banco Ibero-americano de Avaliadores e a Agenda Cidadã Ibero-americana.

O Portal Ibero-americano de Mobilidade de Pesquisadores foi criado com o objetivo de promover o intercâmbio de conhecimento entre os países. Este projeto desenvolveu-se com instituições educativas da Espanha, México e Colômbia, e conseguiu que 980 pessoas se mobilizem em 104 programas acadêmicos, dos quais 83 % foram Pesquisadores.

Além disso, o Banco Ibero-americano de Avaliadores, apresentado por delegados do México e Colômbia, também mostrou avanços importantes para melhorar a qualidade dos processos de avaliação das convocatórias em ciência, tecnologia e inovação da região. A Agenda Cidadã Ibero-americana, também teve efeitos na criação de novos espaços de participação Cidadã para conhecer a opinião, e transmitir as propostas dos Cidadãos aos tomadores de decisão em temas de ciência, tecnologia e inovação.

Rebeca Grynspan, Secretária Geral Ibero-americana, afirmou que “nosso propósito foi conseguir resultados concretos sobre iniciativas que impulsionem, principalmente, o desenvolvimento da juventude Ibero-americana”.

Por sua parte, Yaneth Giha, diretora de Colciencias, afirmou que, “os projetos conjuntos e a criação de redes internacionais, são indicadores muito importantes para a interconexão de Pesquisadores, e desta forma, aumentar sua capacidade para resolver problemas complexos com diferentes perspetivas”.

Estes avanços indicam que as propostas apresentadas nos encontros regionais passaram do discurso a realidades concretas para o desenvolvimento social e econômico dos países.

¿Cómo está la ciencia en Iberoamérica?

Iberoamérica conforma una región llena de desafíos y grandes oportunidades, constituida por 22 países con más de 600 millones de habitantes, representamos cerca del 10% de la población mundial y debemos aprovechar al máximo nuestras fortalezas para tener una mayor presencia en el contexto internacional.

De hecho, la mayoría de los países han hecho un esfuerzo enorme por aumentar el recurso humano dedicado a la investigación y desarrollo. La región ha experimentado un crecimiento del 47% entre 2004 y 2013, al pasar de 317.573 a 465.474 investigadores.

El número total de estudiantes que finalizaron sus estudios de doctorado en Iberoamérica también ha tenido un crecimiento significativo, pasando de alrededor de 21 mil titulados en 2004 a 38 mil en el año 2013, es decir un aumento del 81% durante el período. Iberoamérica logró aumentar su participación en todas las bases de datos internacionales, al incrementar su producción científica local en 2 puntos entre el 2004 y el 2013.

En promedio el porcentaje de la colaboración científica internacional a través de documentos creados en cooperación de los países de Iberoamérica, es del 61%. Un nivel relativamente elevado, gracias a que la mayoría de los países de la región buscan colaboración internacional para lograr aumentar su producción científica. Finalmente, en cuanto a patentes solicitadas en las oficinas nacionales de los países iberoamericanos, aumentó un 33% entre 2004 y 2013.

Veja todos os assuntos