Ibermuseos apresenta o Registro de Museus Ibero-americanos

Apresenta-se o Registro Ibero-americano de Museus, fruto da cooperação de 12 países envolvidos no projeto, com mais de 6.000 instituições recolhidas na web, mostrando a diversidade e riqueza dos museus da região.

CAPA2-FB-RMI

No dia de hoje, 28 de junho, a presidenta do Programa de Cooperação Ibero-americana Ibermuseos, Magdalena Zavala Bonachea, apresentou ao público o Registro de Museus Ibero-americanos (RMI), projeto desenvolvido pelo Observatório Ibero-americano de Museus desde o ano de 2013, considerado uma ferramenta fundamental para o conhecimento e o futuro desenvolvimento deste setor. Trata-se de uma web que reunirá os mais de 9.000 museus que se encontram nos 22 países da região, proporcionando informação e acesso aos mesmos.

O RMI é um recurso de referência e de consulta, tanto geral como especializada, que oferece a quem o visitar dados sistematizados ordenados em forma de fichas, cujos conteúdos foram consensuados de forma colaborativa e se encontram avaliados pelos 12 países membros do Programa Ibermuseos, que desenvolveram o projeto até a data. Este consenso foi o resultado de discussões, revisões e acordos a respeito do que é que se entende por museu neste grande território e neste espaço virtual, no qual se encontram distintas legislações e normas nacionais. Oferece assim um detalhado panorama do setor e mostra a imensa variedade de situações que convivem sob a comum denominação museu.

Pelo momento são já mais de 6.000 as instituições registradas, com distintos aportes desde a América e a Península Ibérica: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Espanha, México, Paraguai, Peru, Portugal e Uruguai. Esta quantidade se prevê em aumento com a incorporação dos museus ainda pendentes de ingressar, e com o aporte que realizarem outros países que já manifestaram seu interesse em estar presentes nesta plataforma que faz visível a riqueza e diversidade deste setor.

“Uma conquista substantiva do Programa Ibermuseos foi consolidar através de longas jornadas de trabalho colegiado o RMI. Este repositório será a plataforma digital que mostrará não só o tecido geográfico, senão o estado que guardam as instituições “museísticas”, e recolherá a informação substantiva sobre sua gestão, sua infraestrutura, suas coleções, seu manejo e posicionamento”, detalha a presidenta do Programa Ibermuseos, Magdalena Zavala Bonachea.

A plataforma, que também dispõe de um entorno acessível só aos responsáveis dos países com informação mais detalhada das instituições, possibilita, além disso, o intercâmbio de informação entre as administrações públicas, os museus e seus profissionais, contribui ao fomento das redes de cooperação e serve de referência para o estabelecimento de estratégias comuns de fortalecimento às políticas públicas do setor.

“O Registro é o lugar de encontro dos museus ibero-americanos, o espaço comum das mais de 9.000 instituições que povoam este fértil território “museal” que constituiu a vanguarda da museologia em seus aspetos mais renovadores”, resume Miguel González Suela, Sub-diretor Geral de Museus Estatais da Espanha. “O RMI vai permitir conhecer esse setor, suas caraterísticas, com um trabalho importante dos profissionais, e que, pouco a pouco, iremos ampliando. Mas, ainda mais importante é criar redes de profissionais dos diferentes países, que desta maneira poderão intercambiar, conhecer-se melhor, criar projetos e por cima de tudo, enriquecer-se mutuamente.”

Virginia Garde López, Chefa da Área de Difusão e Desenvolvimento da Sub-direção Geral de Museus Estatais Ministério de Educação, Cultura e Esporte e responsável pela coordenação do projeto ressalta que “O RMI é a porta para conhecer e acessar à exuberante diversidade de instituições “museísticas” que em toda a Ibero-América estão trabalhando para melhorar a sociedade e interessar seus públicos”.

O Registro se apresenta em um ano de celebração especial, no qual se comemoram os 10 anos da assinatura da Declaração da cidade de Salvador, documento de referência para o diálogo e a cooperação entre países no âmbito da museologia e a memória, e produto do I Encontro Ibero-americano de Museus, celebrado do dia 26 ao 28 de junho de 2007, na cidade de Salvador, Bahia, Brasil. A declaração impulsionou a criação do Programa Ibermuseos e do próprio Registro de Museus Ibero-americanos, concebido já então como uma ferramenta para conhecer a diversidade do panorama museológico e gerar conhecimentos sobre a realidade deste setor na Ibero-América.

 

Veja todos os assuntos